Artigos e Publicações

Archivos Contemporâneos

do Engenho de Dentro

Loucura de Todos Nós -E vamo que vamo! , artigo que conta a história da criação do Bloco Carnavalesco Loucura Suburbana a partir da vivência de sua coordenadora Ariadne de Moura Mendes.  Foi publicado na segunda edição da revista Archivos Contemporâneos do Engenho de Dentro, em novembro de 2019.

Leia trecho do artigo abaixo:

"... a história da constituição do Loucura ,como carinhosamente ficou sendo designado o conjunto de ações do Bloco Carnavalesco Loucura Suburbana e do Ponto de Cultura Loucura Suburbana: Engenho, Arte e Folia. Mais precisamente, contar a versão da autora a partir da sua vivencia de concepção e coordenação desse multiprojeto que, por ter a característica de ter sido construído por muitas mãos e corações, contém versões enriquecedoras a partir das quais podem-­se contar várias histórias. Que ficarão como uma ideia de próximos artigos e registros: reunir os fundadores do bloco para uma troca das experiencias sobre sua criação. (...)"

 

Acesse o arquivo completo e leia o artigo na íntegra:

Saúde Mental, Loucura e Diversidade Cultural:

inovação e ruptura nas experiências 

de arte-cultura da Reforma Psiquiátrica e do campo da Saúde Mental no Brasil

Eduardo Torre traz, em sua tese de doutorado, uma análise reveladora da importância das experiências de inclusão social no processo da Reforma Psiquiátrica no Brasil. Eduardo  é membro do Grupo de Pesquisa: Laboratório de Estudos e Pesquisas em Saúde Mental e Atenção Psicossocial(LAPS/ENSP/FIOCRUZ), além de militante do movimento antimanicomial. Foi membro de equipes multidisciplinares na intervenção em dependência química e em sofrimento mental e atualmente compõe como psicólogo, a equipe do CAPS Espaço Aberto ao Tempo Severino dos Santos.

Leia trecho da tese abaixo:

Capa Tese Eduardo Torres.png

"(...) através dos projetos de arte-cultura e trabalho que vêm sendo criados e desenvolvidos nas últimas décadas por meio das lutas no campo da saúde mental.

Tais experiências têm permitido o surgimento de formas inovadoras de relação com a loucura e a diversidade nas quais os sujeitos são compreendidos não mais pelo diagnóstico psicopatológico ou médico-psiquiátrico tradicional, mas pelas possibilidades de invenção de novos modos de vida que produzem cidadania, circulação social e ampliação do conhecimento e da liberdade, para os sujeitos em sofrimento mental, profissionais e familiares envolvidos nos processos inovadores."

Acesse o arquivo completo e leia a tese na íntegra:

Rastros de um Carnaval: caminhos alegres entre a psicologia, a cidade e a luta antimanicomial

Este ensaio poético de Juliana Cechetti foi seu trabalho de conclusão do curso de Psicologia da Universidade Federal Fluminense após um estágio de cerca de um ano no Ponto de Cultura Loucura Suburbana, como estagiária bolsista da Secretaria Municipal de Saúde. Seu texto, leve e profundo ao mesmo tempo, fruto de seu olhar sensível  e de seus estudos baseados em Michel Foucault é um verdadeiro presente para a história do Loucura, um delicioso caminho alegre a percorrer.

Leia trecho do artigo abaixo:
"Em  meio  às  máscaras,  há  também quem nesse momento pode desfazer-se das suas e assim compor a multidão. O disfarce da normalidade e o silenciamento da loucura dão lugar à fantasia  e  à  invenção  de  novos  mundos.  Corpos  sem  jalecos,  diplomas,  diagnósticos  ou prontuários  que  apagam  rostos  e  hierarquizam  as  relações  -  no  carnaval  de  rua,  todos  são corpos  alegres  em  festa,  onde  sua  marca  não  é  impossibilidade,  mas ponto de encontro. "

Acesse o arquivo completo e leia o artigo na íntegra:

Capa Tese juliana cecchetti.PNG

O enfrentamento do sofrimento psíquico na pandemia:

diálogos sobre o acolhimento e a saúde mental em territórios vulnerabilizados

Encontros e Memórias: Loucura na rede, relata a adaptação e mudança de rotina do Loucura que se iniciou com a pandemia pela ótica e vivência de sua coordenadora Ariadne Mendes, citando as diversas atividades em que o Loucura Suburbana tem estado engajado neste período de isolamento.

Leia trecho do artigo abaixo: 

"Nosso 20º desfile tinha ocorrido no dia 20 de fevereiro de 2020. Celebramos muito essa profusão de vintes. (...) Durante todo o dia, uma parte da equipe trabalhou na elaboração do projeto que seria enviado para concorrer ao edital da Secretaria Municipal de Cultura de Circulação de Música, nas lonas, arenas e areninhas culturais. Estávamos empolgados, queríamos gravar mais um CD com os sambas campeões de 2012 a 2020 e fazer um show de lançamento no teatro do Parque de Madureira, no fim de novembro. Tínhamos que correr com o projeto, para entregá-lo no dia 16 de março. O dia 12 de março foi nosso último dia de trabalho presencial. Muitas vezes trabalhamos de casa, no fim de semana, mas naquela segunda feira, 16, quando conseguimos enviar o projeto, iniciava-se uma nova era para o Loucura."
 

Acesse o arquivo completo e leia o artigo na íntegra:

Encontros e Memórias_Ariadne_Mendes_Livr