A Luta continua...

Loucura na Luta - Trajetórias, Memórias e Afetos.

Aqui estão publicados textos, fotos e vídeos , memórias afetivas da participação dos foliões, foliãs e galera do Loucura nos desfiles e outros eventos.

Altair Silva

Texto e foto (enviados  em 17.05.2020)

 Eu participo do bloco e da luta ant-manicominal a alguns anos.
  Trabalhei aproximadamente uns onze anos com crianças, adolescentes e adultos em situação de rua, trabalhava nas ruas do centro da cidade, Santa Cruz, Méier e zona sul do RJ. Trabalhei em abrigos e nas abordagens de rua, que era o que eu mais se identificava, o dia a dia dessas pessoas, suas histórias de vida, as diferenças e a identificação de seus grupos como: usuários de drogas pesadas, egressos do sistema penal, alcoólatras, envolvimento com o tráfico, cumprimento de medidas sócio educativas, expulsos de casa pelo tráfico onde morava ou egresso do sistema penal que não podem voltar pra casa, pois coloca em risco toda sua familia, e saúde mental ....e suas localizações.

  A saúde mental é uma das situações mais intrigantes pra mim. Antes da reforma da psiquiatria, se você tinha algum parente com problemas mentais, ele era entregue ao estado junto a seus hospitais e ficava internado o resto da vida.
   Tenho várias situações, relatos de casos, mais ocuparia muito tempo.
   O que eu quero passar é a emoção que e sair no bloco loucura suburbana, começa na concentração, você acompanha todos os preparativos, o semblante dos usuários e seus familiaresas ajudando seus filhos, irmãos, pais ...  é pura emoção pra mim, quando a bateria desce a rampa de acesso do hospital, saindo pelo portão principal e indo pra rua, eu acompanho tocando na bateria chorando como criança, uma mistura de alegria e impotência de não poder fazer mais. É a quinta feira mais importante, mais amada e esperada todo ano por mim.

EU- Poesia de Regina Peixoto

Vídeo-arte de Fernando Braga  (enviado 27.05.2020)

Arte de Abel Luiz  (enviado em 23.05)

Marília Veíssimo

Texto e fotos (enviados  em 17.05.2020)

Olá compas do Loucura,
sou uma admiradora desse projeto maravilhoso, fiz trabalho de campo exploratório sobre ele e queria aprofundar a pesquisa, (...) mas ainda volto a esse objetivo!
Mando um material sobre os anos que participei do desfile (2017 e 2020), com uma breve análise de como eu sinto e vejo a experiência! ❤️ 
grande abraço e viva o 18/5!!!

 

Angela Carvalho

Psicóloga  -   CAPS CASA DO LARGO e compositora

Texto e fotos (enviados  em 15.05.2020)

Esse ano nossas comemorações do dia 18 de Maio com certeza, não serão as mesmas. 
  Não faremos  encontros nos locais públicos, nem tampouco nos encontraremos no  Circo  Voador, como no ano passado.,
com barraquinhas  do Coletivo de Geração e Renda dos diversos serviços da Rede de Saúde Mental que coloriram o espaço, exibindo produtos criados por mãos habilidosas de nossos usuários; não ouviremos as falas importantes de  ícones da Luta Antimanicomial nos alertando sobre decisões imperativas impostas pelos Órgãos e Gestores Nacionais sobre a "Nova política de Saúde Mental", modificando leis e diretrizes , trazendo inúmeros retrocessos em toda a Rede de Saúde Mental e SUS.
Não ouviremos nem dançaremos ao som dos diversos grupos musicais que se apresentaram como o Harmonia Enlouquece e muitos outros.  Mas hoje, faremos Live!

Muitas por sinal! Comemoraremos para afirmar nosso compromisso na construção de uma sociedade mais justa e sem manicômios.

Essa iniciativa do Bloco Loucura Suburbana é muito importante nesse momento, pois nos faz lembrar que a expressão cultural nas suas diferentes manifestações é um dos um dos caminhos para afastar as desilusões, incertezas e o pessimismo.

Nos inspiraremos em  nossos usuários de Saúde Mental - como fez nossa querida Nise da Silveira,  que individualmente ou no coletivo contribuem para a cultura, transformando seus delírios em verso, a dor em sorriso, a felicidade e alegria no Aqui e Agora.
O Bloco Loucura Suburbana faz acontecer essa alquimia.  Durante um ano de preparação envolve cada usuário, seus familiares e simpatizantes, que aguardam ansiosos a tão esperada saída do bloco e aí.... as ruas do bairro do Engenho de Dentro se enchem de pessoas felizes, esbanjando  sorrisos e lágrimas de  emoção.
É um verdadeiro e  tradicional Bloco de Rua.  "Ele é um bloco diferente que toma conta da gente, e faz a gente delirar"...  
E em tempos de pandemia do COVID19, do distanciamento e isolamento social, "Ninguém solta a mão de ninguém" toma uma nova forma: "Ninguém toca a mão de ninguém".
Isso é proteção, cuidado..
Mas continuaremos firmes na luta, nas ruas, levando a multidão que acredita que essa é uma das formas de lidar com a diferença e a diversidade. Dias melhores virão!

Fernando Mesquyta, Mestre da bateria A Insandecida

Vídeo  (enviado em 15.05.2020)

Ei! - Poesia de André Coeli

Vídeo (enviado em 18.05.2020)

Luciana Brittes

Foto e texto (enviados  em 14.05.2020)

Fico muito emocionada cada vez que me vem a lembrança dessa época que passei pelo Loucura... das rodas de choro perto da Estação...muitas lembranças...2012 inesquecível...grata a vocês por terem começado um Projeto tão lindo!!! Todos deveriam conhecer e se libertarem dos preconceitos..Salve Abel! Salve Loucura Suburbana!
Participar desse Bloco.. experiência sem igual #Carnavalpaixao

Michelli Arêas  - Desfile 2020

Fotos (enviadas em 12.05.2020)

Nívea Andrade - As fantasias nos desfile do Loucura

Fotos (enviadas  em 11.05.2020)

2020- Paulo Freire e livros
2019- chifre e camiseta "do lado das bruxas"
2018- Anitas e mototáxi

2017- Dono de Escola de Samba e fantasia de destaque
2016- oncinha
2014- nadadora